Skip to main content

Galinhas

Raça Branca, Amarela, Pedrês Portuguesa e Preta Lusitânica

As nossas galinhas andam, literalmente, por todo o lado. Podemos vê-las dentro dos prados, a petiscar a ração dos outros animais, no coreto, o seu local de descanso preferido, a correr pelos caminhos em cima de um ramo ou até em cima de um ramo. O difícil é mesmo não nos cruzarmos com elas. São muito diferentes as espécies que aqui encontramos, algumas resultantes de cruzamentos, mas destacamos as 4 raças autóctones portuguesas de galinhas, todas em risco de extinção: Amarela, Branca, Pedrês Portuguesa e Preta Lusitânica. Apesar de serem uma raça exótica, não podemos de deixar de referir as tão emblemáticas galinhas fracas, que percorrem a Quinta em bando. 

Galinha Amarela

A galinha Amarela tem também a designação de galinha Minhota, pois, apesar de se encontrar distribuída por todo o país, considera-se que é, ainda, predominante na região do Minho, onde subsistem os efetivos mais numerosos e menos geneticamente alterados, por influência de cruzamentos com outras raças exóticas de galináceos.

São galinhas muito resistentes e com grande facilidade de adaptação ao meio ambiente. É a mais pequena das quatro raças de galinhas portuguesas e pode ter, ou não, penas no pescoço. Caso tenham, são chamadas penudas, se não, são carecas ou peladas.

A plumagem é de cor castanha alaranjada escura, em fundo amarelo palha. Os galos têm cristas vermelhas vivas, com 5 a 6 pontas ou dentes. As patas são finas e amarelas, com quatro dedos e sem penas.

O peso dos galos varia entre 2,3 kg e 3,1Kg e o das galinhas entre 14,7Kg e 2Kg.

As galinhas são animais granívoros, mas as de raça Amarela, em vez de grãos, não resistem a uma bela folha de couve, erva do campo ou milho.

Galinha branca

Estas galinhas vivem na região do Minho e Douro Litoral. São a raça que está mais ameaçada de extinção. Em 2004, não eram mais de 200, mas, aos pucos, tem sido possível aumentar esta população. A característica que mais as destaca é a plumagem totalmente branca que, quando o sol incide sobre ela, adquire um reflexo brilhante amarelo claro, mais evidente nos galos. As patas são amarelas, finas e sem penas e as cristas são bem vermelhas.  Os antepassados destas galinhas caraterizavam-se por não terem penas no pescoço, daí serem chamadas de “raça do pescoço pelado”.

O peso dos galos desta raça varia entre 2,3Kg e 3,2Kg e o das galinhas entre 1,7Kg e 2,3Kg. São boas poedeiras e boas mães.

É uma espécie muito ligada às tradições populares religiosas, por serem brancas, cor que significa pureza, esperança, paz e prosperidade. Na região do Minho, quando há um casamento, é tradição oferecer uma galinha Branca aos noivos para que tenham paz, pão e a família cresça, pois esta galinha é sinal de uma vida santa.

Galinha Pedrês Portuguesa

São galinhas elegantes, altivas e vigorosas, encontram-se nas capoeiras de todo o país, mas têm origem nas regiões do Minho, Douro Litoral e Trás-os-Montes.

A sua plumagem tem um aspeto mosqueado, matizado de cinzento-escuro em fundo branco. O peso dos galos varia entre 2,6Kg e 3Kg e o das galinhas, entre 2,2Kg e 2,7Kg. São aves muito resistentes e raramente ficam doentes.

Estas galinhas distinguem-se pela beleza da sua plumagem e pela sua principal função, pôr ovos, existindo, inclusive, alguns provérbios que comprovam isso mesmo, como: “Galinha Pedrês vale por três”.

Como as outras galinhas, são animais granívoros, mas não dispensam algumas ervinhas ou insetos que apanham enquanto vagueiam pelos campos.

Galinha Preta Lusitânica

Também apelidadas de Transmontanas, estas galinhas já foram muito numerosas na região de Trás-os-Montes.

A plumagem destas galinhas é única, negra, com reflexos metálicos azuis esverdeados, quando o sol incide sobre o seu corpo.

As cristas são vermelhas, o bico é preto e as nossas patas não têm penas e são pretas ou cor de ardósia escura. O peso dos galos varia entre 2,5Kg e os 3Kg e o das galinhas entre 1,7kg e 2,5Kg. Os desta raça são muito protetores do seu bando.

Há quem diga que ter uma galinha preta, na capoeira, dá sorte aos donos. Alimentam-se de grãos mas também gostam de petiscos como ervas, milho, pequenos insetos ou vermes.

São galinhas com um temperamento mais selvagem, que não gostam de estar presos e gostam de passear durante o dia pelas hortas, campos, caminhos e só regressar à noite para se protegerem do frio, da chuva e de outros animais.